quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

2015


Liberdade
sf (lat libertate) 
1. Estado de pessoa livre e isenta de restrição externa ou coação física ou moral. 
2. Poder de exercer livremente a sua vontade. 
(...)
4. Condição do ser que não vive em cativeiro. 
(...)
7. Independência, autonomia. 
8. Ousadia. 
9. Permissão. 
10. Imunidade.



2015 foi um ano de muitas lágrimas pra mim. Chorei porque consegui o emprego que queria, porque fiquei frustrada, porque consegui um apartamento novo pra morar; choraminguei porque fui avacalhada na residência, porque conheci pessoas excelentes na residência, porque fiquei muito doente na residência; lacrimejei porque recebi presentes maravilhosos do Star Wars nos amigos ocultos de fim de ano, porque me senti muito sozinha, porque recebi abraços e convites inesperados em momentos de fragilidade. Mas estes são só os fins. O mais valoroso é o meio. O verbo. Chorei. 

Neste ano, mais que em qualquer outro, entrei em contato com meus sentimentos e pude experienciá-los do modo mais livre até hoje. Com menos medo, menos vício de pensamento, mais razão, mais emoção. Tive o insight na terapia e chorei por conseguir, finalmente, chorar.

A água circula por um riacho como as sensações passam pelo corpo. Há vários poços por onde a água roda antes de fluir. Esses poços são como os nossos sentimentos. Se não houvesse nada em volta o riacho fluiria puro e claro, porém a vida tumultuada, as experiências ruins e os traumas (principalmente infantis) tendem a cair no riacho, então este não pode correr serenamente. Se abrirmos os caminhos entre os poços elaborando as sujeiras do pensamento a energia flui, limpando e desenferrujando todos os nossos sentimentos.

Em terapia meus medos têm ficado claros para mim. Olho toda a culpa que carrego. Do que me culpo? Quais são minhas maiores decepções comigo mesma? Aceitar a realidade de que essas coisas aconteceram sem deixar que elas nublem minhas emoções foi uma cutucada na sujeira do poço. Se quero ser uma influência positiva para os que me cercam tenho que perdoar a mim mesma. Eu jamais chegarei ao equilíbrio se negar partes da minha vida. Os sentimentos são bloqueados pelas mentiras que contamos a nós mesmos. Não podemos mentir sobre a nossa própria natureza.

Cavei fundo e deparei com um mar de emoções – antes ocultadas - este ano. A manifestação da liberdade são as lágrimas. A porta sem maçaneta está aberta. Choro e chorarei sempre a partir de 2015. Os sentimentos hão de fluir como o riacho.


quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Sabor de mãe



Gatorade 
1. Marca de bebida isotônica, constituída por água, sais minerais e maltodextrina, em concentração similar à dos fluidos naturais do corpo humano. 
2. É considerada um repositor hidroeletrolítico. 

mãe 
sf (lat matre) 
1. Mulher, ou fêmea de animal que teve um ou mais filhos. 
2. Ascendente feminino em primeiro grau. 
(...) 
5. Mulher generosa, que dispensa cuidados maternais. 
6. Pessoa que protege muito a outra. 

infância 
sf (lat infantia) 
1. Período da vida, no ser humano, que vai desde o nascimento até a adolescência; meninice. 
(...) 
4. O começo da existência de alguma coisa. 



Gatorade de limão tem o sabor da minha mãe. E no primeiro gole ela está ao meu lado. 
Eu tenho oito anos e uma diarreia. Ela traz o remédio: Gatorade de limão. 
Sinto o gosto dos passos dela empunhando a fórmula. Pó na água. Tudo branco. 
É para não ficar no hospital tomando soro na veia. 
Tento, mas sou lavada pelo vômito. E sinto o cheiro dela vindo com mais. 
Não vai ter jeito. Não teve jeito, tomei soro na veia. E muito Gatorade de limão. Como agora. 
Gatorade de limão tem o sabor da minha mãe. E no primeiro gole ela está ao meu lado.

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Privança


intimidade 
sf (íntimo+i+dade) 
1. Qualidade de íntimo. 
2. Amizade íntima, relações íntimas.
3. Familiaridade.

fim 
sm (lat fine) 
1. Termo, conclusão, remate. 
(...)
3. Intenção, propósito. 
4. Escopo, alvo, objeto, fito, mira. 
5. Morte. 







Privança

A intimidade, 
uma vez dada, 
só tem dois fins:

o amor 
ou 
a mor
te   





quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Pranto

pranto 
sm (lat planctu) 
1. Choro, lágrimas, lamentação. 
2. Antiga poesia elegíaca em que se lamentava a morte de pessoa ilustre. 
3. Cantiga, serenata, tocata.

elaboração 
sf (lat elaboratione) 
1. Ato ou efeito de elaborar, preparar ou concluir. 
2. Transformação das idéias imediatas em elementos da personalidade

autognose 
sf (auto+gnose) 
1. Psicol: Conhecimento, estudo ou apreciação de si próprio.





Pranto

Nada melhor
do que lágrimas catárticas
que lavam o chão
das poeiras da alma.

Nada melhor
do que lágrimas espásticas
que suscitam abnegação
frente ao golpe da palma.

Nada melhor
do que lágrimas fantásticas
que compõem o pão
que nutre a calma.

E se, mesmo assim, houver
menos força que fé

pense direito, mulher!
Não com não é sim,

e a escuridão não é funda assim:

é da altura do pé.
















segunda-feira, 6 de abril de 2015

Chi mangia solo crepa solo

solitùdine
s.f.
1. Lo stare, il vivere solo
2. Luogo solitario

rimpiàngere
v.tr.
1. Ricordare con desiderio e rammarico cose o persone che non si hanno più

desideràre
v.tr.
1. Provare desiderio di qualcosa, aspirare alla soddisfazione di un bisogno o di un piacere




Entediado criou o Céu e a Terra e, para cada folha nesta, uma estrela naquele. Então vieram as moneras e os planetas, as quimeras e as borboletas e, para cada trinar de pássaro, um asteróide se acinturava entre Marte e Júpiter. Depois, os cometas nadantes e os peixes cadentes, as nuvens errantes e os astros ardentes.

Malcontente, dobrou os elementos e do carbono fez o homem, do magnésio os marcianos e saturninos os saturnianos. Num apontar de dedo os cromos de Marte juntaram-se e perguntaram-se “quem sou eu? de onde viemos?” e os plutonianos gastaram anos admirando Caronte com suas fossetas amoníacas.

Por fim, com o último grama de barro, argila já arenosa, pálida, seca, criou a mim, mais um entre o exército de terracota. Assoprou em minhas narinas seu hálito de vida, porém, já cansado, descuidou-se e foi ar pra todo lado; pouco me adentrou. À parte disto abriu meus olhos e andei.

A camada fina entre o ar circundante e um vazio sobrenatural rilhava conforme os passos da vida. A cada embaraço uma trinca; às passadas sólidas outras apareciam como o gelo cedente na superfície de um lago congelado frente à Primavera. Adelgaçava-me, conforme crescia o oco maldito, ao limite do suportável.


Pois bem: enfim descansei. Sou pó e ao pó da terra retornei.

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

À vida

percalço
sm
1. Contrariedade, ossos do ofício, transtorno

resiliência
sf (ingl resilience)
1. Habilidade de se adaptar com facilidade às intempéries, às alterações ou aos infortúnios.

esperança
sf (de esperar)
1. Ato de esperar;
2. Expectativa na aquisição de um bem que deseja;
3. Aquilo que se espera, desejando.



À vida


a vida é feita de cassa:
mostra teu dorso desnudo,
estoura num golpe teu escudo,
bate, beija e passa.

é mão de mãe pesada
que cai na bunda com carinho
te levanta numa lufada
te cava no asfalto um novo caminho

diante da conta que não vimos,
que insiste em subtrair,

não desistimos,
só deixamos de insistir.

domingo, 18 de janeiro de 2015

Le chagrin



chagrin  
adj m  
1. triste, ayant de la mélancolie
2. tristesse, souffrance
3. mal d'amour (chagrin d'amour)

nostalgie   
nf
1. tristesse due à l'éloignement de son pays natal, regret pour le passé  







Por que dói o coração
enquanto os pássaros trinam,
os cães o rabo balançam
e as folhas das árvores bailam?

Por que dói o coração
enquanto os brancos caminham na praia,
os pobres justos trabalham
e as moças afáveis sorriem na baia?

Por que dói o coração
apesar do tempo que passa,
dos ensejos que brotam
e da dor que ultrapassa?

Por que dói o coração
enquanto tenho como antessala
um corpo vermelho caído 
entre a arma e a vala?